Tradução do "Declaration of Asmara" para os leitores do sítio web de Bisharat!. Retorne à página das ligações ... Documentos básicos.


A Declaração de Asmara
sobre Línguas e Literatura Africana
*

Nós, escritores e acadêmicos de todas regiões da África, nos reunimos em Asmara, Eritrea, do dia 11 ao dia 17 de janeiro de 2000, para a conferência entitulada Contra Todas Probabilidades : Línguas e Literaturas Africanas no 21º Seculo. Esta é a primeira conferência sobre línguas e literaturas africanas a acontecer em solo africano, com participantes do leste, oeste, norte e sul da África e diaspora e por escritores e acadêmicos de todas as partes do mundo. Nós examinamos o estado de línguas africanas em literatura, pesquisa, e dição, educação e administração na África e pelo mundo. Nós celebramos a vitalidade de línguas e literaturas africanas e afirmamos seu potential. Notamos com orgulho que mesmo com toda probabilidade contra elas, as línguas africanas sobrevivem como vehículos de comunicação e conhecimento e têm uma continuidade escrita de mais de mil anos. Colonização criou os mais sérios obstáculos contra línguas e literaturas africanas. Notamos com preocupação o fato que esses obstáculos coloniais ainda perseguem a África independente e continuam a blocar o espírito do continente. Nós identificamos a profunda incongruência em línguas coloniais falando pelo continente. No início de um novo século e milênio, a África deve firmamente rejeitar esta incongruência e afirmar um novo começo à través de suas línguas e herança.

Nesta conferência histórica, nós, escritores e acadêmicos de todas regiões da África, reunidos em Asmara, Eritrea, declaramos que:

  1. Línguas africanas devem tomaro o dever, a responsabilidade e o desafio de falar pelo continente.
  2. A vitalidade e ingualdade de línguas africanas devem ser reconhecidas como uma base para o futuro « empowerment » dos povos africanos.
  3. A diversidade de línguas africanas reflete a rica herança cultural da África e deve ser usada como instrumento para a união africana.
  4. Diálogo entre línguas africanas é essential : As línguas africanas devem ultilisar o instrumento de tradução para avançar a comunicação entre todas as pessoas, incluindo deshabilitados.
  5. Todas crianças africanas têm o direito de ir à escola e aprender em suas línguas maternas. Todo esforço deverá ser feito para que línguas africanas sejam desenvolvidas à todos nivéis de educação.
  6. Promovendo pesquisa sobre as línguas africanas é vital para o seu desenvolvimento, enquanto o avanço de pesquisa e de documentação africana será melhor servida pelo uso de línguas africanas.
  7. O desenvolvimento pertinente e rápido de ciência e de tecnologia na África depende no uso de línguas africanas, e a tecnologia m oderna deve ser ultilisada para o desenvolvimento de línguas africanas.
  8. Democracia é essential par ao desenvolvimento igual de línguas africanas, e línguas africanas são vitais para o desenvolvimento de democracia baseado em igualdade e justiça social.
  9. Línguas africanas, como todas línguas, contêm a polarização de genre. O papel de línguas africanas em desenvolvimento deverá superar esta polarização de genre e alcançar igualdade de genre.
  10. Línguas africanas são essenciais para a decolonização do espírito africano e para o renascimento africano.

A iniciativa que se materializou durante a conferência Contra Todas Probabilidades deve ser continuada com conferências biennais em partes diferentes da África. Para organizar futuras conferências, para criar um fórum de diálogo e cooperação, e para avançar os princípios desta declaração, um Secretariat será estabelecido, e será initialmente baseado em Asmara, Eritrea.

Traduzida para tantas línguas africanas quanto possível e baseada nesses princípios, a Declaração de Asmara é afirmada por todos participantes de Contra Todas Probabilidades. Nós convidamos todos os Estados africanos, a OUA, a ONU, e todas organizações internacionais que servem a África para nos juntar à esse esforço de reconhecimento e apoio às línguas africanas, com esta declaração como base para novas políticas.

Enquanto reconhecemos com orgulho a conservação de línguas africanas em algumas partes da África e da diaspora e do papel de línguas africanas na formação de novas línguas, nós incitamos todos povos da África e da diaspora a nos juntar no espírito desta declaração e se tornar parte dos esforços para realizar seus objetivos.

Asmara, 17 de janeiro de 2000


* Tradução provisória e não-oficial por Maureen Gallagher para Bisharat. Julho de 2001.